O SONHO VIROU REALIDADE!!

Boeing se prepara para entregar um número recorde de encomendas do 787 Dreamliner, seu novo e revolucionário avião de passageiros que está em fase de testes para certificação
O novo 787 Dreamliner, o avião comercial que promete mudar — para melhor — a forma com que estamos acostumados a voar. Assim como o inglês Comet e o Boeing 707, os primeiros jatos a transportar passageiros no mundo na década de 1950, o Dreamliner vai marcar uma era: a dos aviões de plástico supereficientes. Melhor dizendo, CFRP (Carbon Fiber Reinforced Plastic) que significa fibra de carbono processada com outras resinas.

Foto do Boeing 787

Foto do Boeing 787
foto externa Boeing 787

Cockpit Boeing 787

Interior Boeing 787

MÍNIMOS METEOROLÓGICOS PARA OPERAÇÃO VFR

MÍNIMOS METEOROLÓGICOS PARA OPERAÇÃO VFR

METAR - METEOROLOGICAL AVIATION ROUTINE

METAR - METEOROLOGICAL AVIATION ROUTINE

Simbologias

Simbologias

TIPOS DE NUVENS E PRESSÃO ATMOSFÉRICA

TIPOS DE NUVENS E PRESSÃO ATMOSFÉRICA

CARTAS AERONÁUTICAS (SIMBOLOGIA)

CARTAS AERONÁUTICAS (SIMBOLOGIA)

PARTES DA ACFT - AVIÕES

PARTES DA ACFT - AVIÕES

TABELAS DE NÍVEIS DE CRUZEIRO E ALFABETO FONÉTICO

TABELAS DE NÍVEIS DE CRUZEIRO E ALFABETO FONÉTICO

CIRCUITO DE TRÁFEGO PADRÃO

CIRCUITO DE TRÁFEGO PADRÃO

ILUMINAÇÃO DA PISTA

ILUMINAÇÃO DA PISTA

AEROPORTOS E TABELAS

AEROPORTOS E TABELAS

PROCEDIMENTOS DE ESPERA, ATIS E VOLMET

PROCEDIMENTOS DE ESPERA, ATIS E VOLMET

VELOCIDADDES PARA PROCEDIMENTOS DE APROXIMAÇÃO POR INSTRUMENTOS

VELOCIDADDES PARA PROCEDIMENTOS DE APROXIMAÇÃO POR INSTRUMENTOS

Alguns Vôos que fiz com o P32R-Sertanejo

Loading...

Aeronaves que voei:

AB11-Aeroboero 115,
P32R-Sertanejo,
P28T-Corisco Turbo;
C310-Cessna 310;
PA34-Seneca II e III;
BE55-Baron 55;
BE58-Baron 58,
C208-Caravan;
Boeing 737-700/800.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Aeronaves pressurizadas

O interior de aeronaves pressurizadas é um espaço hermeticamente fechado que recebe o ar drenado dos compressores das turbinas, depois de resfriado, filtrado e umidificado. Todo esse processo é gerenciado por válvulas que controlam a entrada e saída desse ar, mantendo um diferencial de prssão adequado aos passageiros e tripulantes.
A pressão interna da cabine ou de toda a aeronave é semelhante à encontrada no solo ou pouco acima dele.
Despressurização é a perda da pressão interna da aeronave e pode ser:
1 - Lenta: quando da ocorrência de pequenos vazamentos - é facilmente controlada. Na ocorrência de uma despressurização lenta, por uma pane qualquer, comunica-se a ocorrência aos órgãos de controle. Após isso, baixa-se à aeronave para níveis seguros de vôo, considerando-se a região a ser sobrevoada, não é necessário o uso de máscaras de oxigênio.

2 - Rápida: aumento gradual e progressivo da perda de pressão em curto espaço de tempo.

3 - Explosiva: o diferencial de pressão interna e externa é grande, fazendo com que tudo que não esteja firmemente atado seja arremessado para fora da aeronave. O uso de máscaras de oxigênio deve ser imediato.
Causas de despressurização explosiva: danos estruturais por fadiga; disparos de armas de fogo ou explosões; colisões com outras aeronaves; colisões com pássaros; fechamento incorreto das portas ou compartimento de carga, etc.

Aeronaves metálicas presurizadas estão sujeitas à expansão e retração de sua fuselagem (previstas no projeto inicial da sua construção). Para evitar a fadiga prematura do material da fuselagem, a pressão da cabine é calibrada para estar em níveis superiores a pressão do nível do mar (que seria a pressão ideal e a mais confortável a todos embarcados na aeronave).

Tempo Util de Consciência:
(Tempo médio estimado variando com o preparo físico e atlético de cada indivíduo).
DESCOMPRESSÃO RÁPIDA.

22.000ft..................................3 minutos
25.000ft..................................2 minutos
30.000ft..................................30 segundos
35.000ft..................................20 segundos
40.000ft..................................12 segundos

Projetos recentes (do AIRBUS 380 por exemplo), que utilizam materiais como fibra de carbono em sua construção, não estão sujeitos a fadiga (como os que utilizam o alumínio), por isso, permitem manter-se a pressão e umidade (na cabine) semelhantes a do nível do mar, além de possibilitarem que as janelas sejam maiores que as comumente utilizadas.
No passado, as aeronaves pressurizadas (os aviões ingleses Comet por exemplo), tinham as janelas relativamente grandes com cantos retos(retangulares).
O desenho do projeto inicial destas janelas foi responsável pela explosão de vários jatos em pleno vôo, pois a partir dos cantos das janelas, o material da fuselagem sofria fadiga (iniciava-se uma rachadura a partir desses locais).
Quando descoberta a causa dos acidentes, o projeto das janelas mudou e estas passaram a ser menores e de cantos arredondados, permanecendo assim até os dias de hoje.
Pousos bruscos e batidas na fuselagem, são acontecimentos que podem comprometer seriamente a integridade estrutural da aeronave. Essas ocorrências exigem, antes do vôo seguinte, uma inspeção criteriosa por engenheiro aeronáutico de toda a fuselagem.
O que mais prejudica o organismo humano não é a queda de pressão e sim a falta de oxigênio que ela provaca.

Um comentário:

Turismologa disse...

Parabéns!
Seu blog esta sendo muito util para a minha aprendizagem, estou fazendo curso para comissária de vôo, e dicas é sempre muito bom.